31 de out de 2009

Aprendendo com Olavo de Carvalho

Sou de uma geração que está começando a tomar cada vez mais o controle da humanidade. Não por ocupar cargos de poder, mas por representar uma voz clara e cada vez mais audível nas tendências.

Com o surgimento de novas tendências, vem também a rejeição de um movimento evidente. De repente, você percebe que os valores sobre os quais construiu sua identidade passam a ser derrubados, e outros novos surgem. O que era hábito agora é imoral e o que era imoral agora se torna cotidiano.

Cada geração se constrói analisando, desmembrando e negando padrões da anterior numa forma de ver o mundo que se alastra como uma onda gigantesca e inexorável que chega devastadora e violentamente à costa.

Isso é um ponto básico em história da arte. Talvez por isso eles, os artistas e estudiosos da área, sejam os que vêem e aceitam com mais naturalidade essa espiralidade humana que é a dança de gerações.

A arrogância e o empenho de Olavo de Carvalho são na verdade manifestações desesperadas contra a morte de valores. Mas a morte do antiquado é inevitável e na verdade representa os equilíbrios inerentes às forças construtivas e descontrutivas da natureza. As mesmas responsáveis pela manutenção da vida.

É fácil entender toda essa revolta. Seus valores começam a ser derrubados e não há mais uma voz audível que os defenda. As novas tendências surgem com receptividade e força. Enquanto os resistentes, isolados, não são capazes de fazer frente a ela.

Com Olavo, isso se expressa em agressividade, prepotência e medo do futuro. Afinal muitos de seus preceitos estão indo para nunca mais voltar. "Sou o único isso", "sou o único aquilo", "não há no Brasil outro como eu". É verdade. Não há no Brasil outra voz que se expresse com tanta paixão contra o impacto de gerações.

A visão individualista, inerente às religões abraâmicas, vem sendo substituída pela priorização da coletividade. E isso traz uma negação do pensamento cristão, e essa rejeição chega acompanhada de uma forma de ver o mundo que tende ao materialismo científico.

Olavo então se torna uma espécie de Antônio Conselheiro cibernético, reunindo adeptos devido à sua habilidade na elaboração das palavras, profetizando apocalipses e expressando com eloqüência seu desespero por trazer de volta preceitos semi-mortos. Suas palavras contra a coletivização do indivíduo já foram ditas por diversas outras pessoas ao longo da história, e não apenas pelos autores que este caudilho brasileiro gosta de citar:

"A doutrina judaica do marxismo repele o princípio aristocrático na natureza. Contra o privilégio eterno do poder e da força do indivíduo levanta o poder das massas e o peso morto do número. Nega o valor do indivíduo, combate a importância das nacionalidades e das raças, anulando assim na humanidade a razão de sua existência e de sua cultura. Por essa maneira de encarar o universo, conduziria a humanidade a abandonar qualquer noção de ordem. E como nesse grande organismo, só o caos poderia resultar da aplicação desses princípios, a ruína seria o desfecho final para todos os habitantes da Terra." (Mein Kampf, Adolph Hitler)

Sua voz no Brasil gera um eco tão tímido quanto inaudível, o que o leva a refugiar-se na cultura norte-americana, já que o povo dos Estados Unidos possui uma forte tradição de resistência ao óbvio (vide as várias associações lá existentes com milhares de adeptos defendendo com unhas e dentes conceitos já há décadas ou séculos derrubados. Como o criacionismo, a terra plana, a freqüente intervenção alienígena e etc).

De fato, os danos causados por esse eterno movimento em espiral são muito menores do que aparentam, e em sentidos práticos a mudança tende a ser gradual. Aquela onda que atinge a costa é grande. Mas passado o impacto inicial, a costa logo se estabiliza e o cenário permanece muito pouco alterado. Os danos são remediados, os seres se adaptam às mudanças e a paisagem se estabiliza numa paz que dura até que chegue a onda da próxima geração.

Assim, logo a minha geração também estará se debatendo em revolta e agonia contra uma substituição eminente. E é aqui que podemos aprender com Olavo como não agir, mas ao invés disso aceitar, lidar e conviver com as mudanças que os novos tempos trarão.

27 de out de 2009

Criacionistas Doarão Milhares de 'Origem das Espécies'

Finalmente o pessoal que combate os evolucionistas ateus vai fazer algo que preste.

O livro de Charles Darwin "A Origem das Espécies", que propôs pela primeira vez o surgimento das espécies através de um processo evolutivo, será doado em várias universidades pelos Estados Unidos.

Tudo que os estudantes que ganharem os livros terão que fazer é ignorar as 50 primeiras páginas, cheias de baboseiras e mentiras que os cristãos inventaram e enfiaram no livro.

Confira o video promocional da campanha (dentre os legendados pelo blog, o mais divertido até agora):



Idéia genial! No fim, ninguém vai dar bola pra "apresentação clara do evangelho" que colocaram no começo do livro, mas de quebra vão ganhar uma cópia grátis do livro que mudou a história da biologia!

Gostei tanto da iniciativa que até mandei um e-mail para a organização que está promovendo isso pedindo que eles adotem isso aqui no Brasil também.

Quem quiser encher o saco deles também para que façam a mesma coisa aqui no Brasil, escreva pra lá: email@livingwaters.com.

24 de out de 2009

Como os Cultos Funcionam

Mais um video que saiu no blog Lost in the e-Jungle e legendei pra que os brasileiros também vejam.

Diane Benscoter fala um pouco sobre sua vida e como entrou para a seita do pastor coreano Sun Myung Moon, que levou ao maior suicídio coletivo da história humana.

Vale a pena assistir:

23 de out de 2009

Brasileiros Ensinando Como Não Cobrir um Evento

Rio ganhou! Hora da coletiva, hora de perguntar coisas que o povo todo quer saber como:

O retorno econômico vai compensar tudo que será gasto para trazer esse circo?
ou

É justo pagar com recursos federais um evento que trará benefícios, em sua maioria, apenas locais?

Dentre tantas outras milhares de questões que fervilharam na mente de qualquer brasileiro pensante. Mas ao invés disso a imprensa faz assim:




Ainda bem que a imprensa espanhola, ao contrário de boa parte do resto da mídia mundial, não está tão preocupada em puxar o saco do Nove-dedos:

Obrigado "deus" Por Todas as Tropas


Obrigado "Deus" por todas as tropas

Talvez tenham colocado aspas para não contrariar os ateus.

Achei aqui

22 de out de 2009

A Intervenção Alienígena (Versão Brasileira...)

Ano passado (2008) lançaram este filme:



É engraçado como o cara faz um draminha de perseguição ao redor de uma questão absurdamente idiota. O video é bizarro, e gerou milhares de videos no youtube (inclusive muitos feitos por cristãos) destroçando cada "argumento" que aparece no tal documentário. Gerou até uma polêmica na estréia por terem expulsado do cinema um ateu famoso (PZ Myers) que era entrevistado neste mesmo filme.

Até aí tudo bem, foi só mais um video sem pé nem cabeça feito por pessoas primitivas relutantes em admitir o óbvio.

Mas a razão de falar sobre isso aqui, é para postar este video que vi no blog Lost in the e-Jungle e legendei para o pessoal brasuca assistir:

19 de out de 2009

Pesquisadores Criam Buraco Negro de Bolso

Pelo menos era o que dizia o título de um artigo no site da revista Nature, publicado quinta-feira passada (15/10/2009).

Um buraco negro, a grosso modo, é como um planeta gigante compactado até ficar do tamanho de uma bola de gude. Como a força da gravidade exercida por um objeto depende da sua massa, um buraco negro possui uma gravidade tão forte que é capaz de atrair não apenas todos os objetos que estejam ao alcance do seu campo gravitacional, mas também a luz (por isso são "negros", toda a luz ao seu redor é absorvida pela gravidade).

Lembrando desta definição, dá de imaginar o estrago que faria um buraco negro que estivesse razoavelmente perto da terra, e pior ainda o que faria um mini buraco negro dentro da nossa própria atmosfera.

Por isso é fácil entender que todos os comentários no site da Nature, reclamavam do título da matéria, que fazia uma revista de séculos parecer ter a seriedade de uma edição de Caras.

Na verdade o que os pesquisadores fizeram foi uma espécie de "ressonador" magnético que suga microondas e a transforma em calor. Apesar de ser algo não tão impactante como um buraco negro de verdade, a descoberta tem inúmeras aplicações já imaginadas e muitas que provavelmente ainda serão pensadas (como nossa história mostra, às vezes levamos séculos para achar uma utilidade "inovadora" para uma novidade antiga).

Até o fim do ano, os pesquisadores Q. Cheng e T. J. Cui (que realizaram o estudo), pretendem fazer uma versão do dispositivo (que tem cerca de 20cm de diâmetro) que sugue não apenas microondas, mas também a luz visível.

Um fato importante, mas ofuscado pela falta de critério dos redatores do site que jogaram aleatóriamente as palavras "buraco" e "negro" na chamada mesmo sabendo que a descoberta é tão parecida com um buraco negro de verdade, quanto uma lâmpada em uma lanterninha a pilhas é parecida com o nosso sol.

Artigo na Nature (em inglês)
Mais sobre buracos negros

14 de out de 2009

Se a Ciência Fosse Nosso Deus

Ouço o tempo todo por aí: "a ciência é o deus da atualidade", ou "cientistas são religiosos devotando sua fé a outra coisa".

Se a adoração à ciência fosse a religião predominante:

- Leríamos "A Origem das Espécies" na escola, e teríamos acampamentos de verão para contemplar na prática as experiências genéticas de Mendel.

- Quando pensássemos em computadores, o primeiro nome que viria à cabeça seria Turing e não Bill Gates, Steve Jobs ou IBM.

- As revistas e telejornais citariam as fontes e teriam por hábito divulgar de onde tiram as informações que trasmitem, ou perderiam instantaneamente a credibilidade junto aos espectadores.

- Dalton seria nosso Moisés, e Albert Einstein seria nosso Jesus, dentre tantos outros "Moisés" e "Jesus" que existiriam e ainda viriam a existir nas diversas áreas do conhecimento.

- Discovery Channel e TV Cultura teriam a audiência de uma Globo ou Warner. E Globo e Warner seriam como aqueles canais de novela mexicana que ninguém assiste ou dá muita bola.

- Paulo Coelho venderia como um daqueles livros da prateleira debaixo da sessão de espritismo, e os livros de Carl Sagan dariam filmes melhores e mais assistidos do que os de Stephen King.

- Ser professor seria uma honra e um cargo extremamente respeitado, não apenas um caminho por falta de opção para os que são apaixonados por uma área com poucas opções de empregos que paguem de forma justa.



Enfim, a lista de diferenças da nossa sociedade para uma que realmente cultuasse a ciência seria imprevisivelmente gigantesca.

Se cultuássemos a ciência, adorariamos acima de tudo o conhecimento em todas as suas áreas. Teríamos fé na mensagem dos cientistas (historiadores, biólogos, matemáticos, sociólogos, etc...), mas por nossa própria história saberíamos que por mais certa que esta mensagem fosse hoje, amanhã ela poderia parecer ridícula diante das mensagens mais claras que virão.

E nisso teríamos fé também. Fé na incerteza da própria fé, e na certeza de que o estado atual desta religião é volátil e sujeito a novas descobertas ou interpretações mais apuradas das descobertas já registradas.

E isso destrói a idéia de uma religião.

8 de out de 2009

Religulous: como copiar a idiotice dos religiosos

Ontem eu estava vendo um debate do Dawkins com um matemático chamado John Lennox. Obviamente, Lennox representava a visão dos cristãos sobre o livro "Deus, um Delírio" (recém lançado na época). Foi a primeira vez que vi um cientista cristão argumentar com respeito e coerência... meu conceito sobre os cientistas cristãos realmente subiu um pouco no fim dos videos.

(Quem tiver paciência pra ver os 11 videos, clique aqui para ver a primeira parte... vale a pena!)

Por outro lado, lembrei quase imediatamente de um filme que assisti logo que foi lançado, no fim de 2008:



Protagonizado por um humorista, esse é um daqueles documentários em tom de comédia que não tem graça nenhuma. As melhores partes são as que estão no trailer, o que me deixou decepcionado já com meia-hora de filme.

Bill Maher passa praticamente o filme todo zombando de pessoas simples, fazendo perguntas que todos fazem há anos, e interrompendo os entrevistados o tempo todo.

O tipo de atitude completamente mal-educada e truculenta. Característica marcante nas pessoas que querem defender um ponto de vista para o qual não se tem uma justificativa racional... e infelizmente Maher nesse filme faz a não-crença parecer um destes casos.

7 de out de 2009

Deus, o Chefe da Mafia

Enquanto estou escrevendo um post de verdade, aí vai um excelente trecho de um programa que assisto há anos.
Inclusive tentei ligar pra eles quando eu estava nos EUA, mas deu sempre ocupado =(

Reparem que no fundo há a grande imagem do nosso deus Pasta :D

Parte1


Parte2


(Este é um programa Ateísta aonde os apresentadores abrem o telefone para responder argumentos das pessoas sobre a existência de deus e outros aspectos da fé)

É triste ver o quão necessário esse tipo de programa ainda é necessário e o quanto as pessoas gostam de ignorar a própria capacidade de raciocínio.

Numa sociedade coerente, isso seria completamente dispensável, porque todos veriam o absurdo que é a tal da fé.

5 de out de 2009

Copa, Olimpíadas e Outras Piadas de Brasileiro

Ser brasileiro às vezes é como uma religião: você aceita o que dizem e faz o que mandam sem questionar ou pensar muito, ou será obrigado a ter a experiência desagradável de ver que está no meio de um monte de besteiras que não fazem o menor sentido.

Da educação à economia, segurança ao meio-ambiente. Nossas posições e atitudes como nação chegam a parecer piada.

Mas o foco do momento, está no feito do grande profeta da nossa religião tropical. Depois da copa de 2014, Lula conseguiu trazer as tão faladas olimpíadas de 2016. Nosso presidente deve ter sido inspirado pela excelente colocação do país nas últimas olimpiadas na China, afinal em 23º lugar, ficamos atrás apenas de grandes potências como: Etiópia, Ucrânia, Jamaica, Quênia, Hungria e etc.

Olha que apoio incrível nós damos...

Na Natação:


"Desde que me tornei profissional, em março, paguei tudo: alimentação, hospedagem, e até meu técnico (o australiano Brett Hawke)". (Cesar Cielo)

No Judô:


"Eu acho que é muito complicado você pedir, e você cobrar um resultado sendo que há três anos antes [das olimpíadas] o atleta não tem nem dinheiro para comprar um suplemento que é o que a maioria dos americanos e em qualquer outro país o cara vai ter" (Natália Falavigna)

No Volei:


Resposta da Globo explicando o porque não diz o nome de times mantidos por empresas, um dos motivos que levou o time de volei da Unisul, que possuia vários atletas famosos, a ser fechado: "Do ponto de vista editorial, a citação indiscriminada de marcas comerciais por parte de narradores, comentaristas e repórteres poderia induzir o público a erro de julgamento quanto a independência, isenção e integridade que estes profissionais obrigatoriamente devem manter com relação a equipes e eventos esportivos". (leia matéria)


Na Ginástica
:

"Eu me sinto bastante desvalorizado e elas [Jade e Daniele] também, porque aqui temos um bicampeão mundial, atletas que já foram à Olimpíada e medalhistas de Copa do Mundo. Como a gente vai manter nosso padrão de treino sem ter condições mínimas?" (Diego Hipólito)

1 de out de 2009

O que a mídia não é

(um post sem firulas)

A forma com que o grande público lida com a mídia como um todo é praticamente uma religião (um campo aonde o pensamento lógico não alcança). Todo mundo quer projetar seu complexo underground no grande demônio massificador.

Os marxistas acham que a mídia é um instrumento burguês de propagação do conformismo na massa operária. Os neo-liberais culpam a mídia por difundir abertamente ideais de esquerda.

Os evangélicos acham que a televisão é do demônio, e está aqui como um instrumento do capeta para levar o mundo mais rápido pro dia do juízo final. Já os ateus, acham que os meios de comunicação continuam passando discretamente ideais judaico-cristãos e embelezando o ato da fé.

Existe até um filosofinho brasileiro (uma hora ou outra virá um post sobre ele aqui no blog) que acha que a mídia mundial é controlada por um grupo multibilionário que propaga os ideais demoníacos e genocidas do comunismo.

Os são-paulinos acusam a globo de ser corintiana e os corintianos dizem que a globo na verdade é flamenguista.

É interessante também como cada um grupos citados só aplica esta lógica (de ver como ideal propagado pela mídia tudo aquilo que é ruim) aos aspectos que lhe interessa.

O marxista barbudo discorda fortemente daqueles ideais burgueses recebidos pelos aparelhos de TV, mas teme o aquecimento global e adora uma Skol (afinal ela desce redonda).

O beatinho da Igreja Universal acha que as novelas são controladas por uma força satânica (através de pessoas que fizeram pacto com o diabo... lembra da Xuxa?), mas drogas? Eles repetem: "Tô fora!", "Nem morto", "Crack nem pensar". Prefiro esporte, porque "esporte é saúde" e "criança no esporte é criança longe das drogas".



O que a mídia é:

A tal da mídia é uma EMPRESA (ou um grupo de empresas)! E tudo o que uma empresa faz visa direta ou indiretamente o lucro. A Natura divulga ser uma empresa ecologicamente correta não porque ela é boazinha, mas porque isso é uma excelente estratégia de marketing!

É realmente estranho o quanto as pessoas relutam para ver e admitir isso: Só porque deu na TV não quer dizer que é verdade... muito menos quer dizer que é mentira! Simplesmente não quer dizer nada!